quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

O Plebiscito de Evo Morales e a reação no Twitter

Pin It
Interessante discussão na madrugada de 14 para 15 de dezembro no Twitter.

Mesmo em apenas 140 caracteres uma boa discussão se iniciou em torno da proposta de Evo Morales de um plebiscito latinoamericano contra as bases yankess na Colômbia.

@Caetano_Pacheco e @mauricioas eram os mais céticos, comentando sempre que nenhum país teria legitimidade para fazer nada contra a Colômbia ou que a colômbia faria o que quisesse pois era sua soberania em jogo - o que devo discordar, afinal, a presença de bases estrangeiras por si só se configura numa quebra da soberania - e, por fim, que a presença dos EUA seria apenas uma ameaça para àqueles de determinada ideologia, é apenas subjetivo.

Bem, discordei e continuo discordando frontalmente de tais argumentos, assim como o fizeram @Mingo_tome, @Mayroses e @dolphindilun.

Uma voz mais distanciada foi a de @nideoliveira77, mais contemporizadora.

A idéia do plebiscito pode ser interpretada de duas formas: Primeiro como uma forma direta de pressionar tanto Uribe quanto Obama e demonstrar o repúdio internacional. E, segundo, como forma de legitimar a luta contra as bases e a ingerência dos EUA e pressioanr até mesmo a OEA a agir, aí sim, com efeitos práticos.
é subjetivo. Tudo isso de nação beligerante e dominadora, assim como uma comparação com Honduras, é subjetivo. Ideológico. @caetano_pacheco from web
Não estamos falando apenas da soberania da Colômbia, mas de uma questão de segurança regional e um problema regional. Pergunte a qualquer militar e ele lhe dirá que bases de nações historicamente hostis em território vizinho e próximo da fronteira são um perigo à segurança de um país.
[isso afeta todos os vizinhos] Como afeta? Objetivamente, não é fato. Tudo que pensamos sobre EUA é político/ideológico. @caetano_pacheco from web
E o caso é este. Temos uma nação historicamente ligada à golpes e guerras "preventivas" fincando bases em um Estado reconhecido por seu desrespeito aos direitos humanos e inclusive por invasões a territórios de outros Estados (vide o caso da invasão de tropas colombianas no Equador) sob a bandeira de uma guerra contra o terror que pode abarcar todo o continente em um conflito.
Não se trata unicamente da soberania de um país que de antemão já abriu mão da mesma ao permitir as bases e e pôr o controle quase total de seus recursos nas mãos de interesses estrangeiros.
Pacheco, o problema é: No caso das Bases a Colombia é soberana, claro. Entretanto, isso afeta todos os vizinhos. Fato. @mingo_tome from TweetDeck 
A Colômbia se apresenta, hoje, como um perigo regional e tal questão deve ser tratada com seriedade.
Acho q/ lançar a ideia q/ Evo lançou é uma tentativa de pensar uma estratégia regional p/ superar o domínio eterno sobre a AL. @Mayroses from web

A proposta do Plebiscito de Evo Morales vai neste sentido, ele busca de cara demonstrar que os países da região e membros da ALBA não irão aceitar passivamente que um país vizinho se arme até os dentes e seja base para uma potência agressiva - e isto não é subjetivo, é histórico.
O que eu disse é que um referendo não só solaparia a sobernia do povo colombiano como é inviável politicamente. @flavio_as from web


 mas todos sabemos que um plesbiscito não vai resolver a questão, ninguém aqui é criança para crer nisso. from TweetDeck
Estamos em um mundo cada vez menor e interligado, o que alguns chamam de soberania passa pelos interesses e pela segurança de outros. Este é o caso.
Pacheco, ninguem aqui defende intervenção onde que que seja.Isso é má interpretação do que Evo deseja de fato. Ele ñ é tolo. @mingo_tome from TweetDeck
Enfim, a proposta de Evo vem no sentido de PRESSIONAR a Colômbia em um primeiro momento e, penso, em desdobramentos futuros, numa ação conjunta na OEA ou na UNASUL a fim de evitar que haja uma escalada militar na AL sob a desculpa da guerra contra o terror quando, na verdade, existe uma tentativa de cercar países considerados inimigos dos EUA como Venezuela, Equador e Bolívia.
3) No máximo, dá para fazer pressão internacional sobre a Colômbia. Reunir os países da AL e discutir como pressionar. @nideoliveira77 from web
É o velho Monroísmo e Corolário Roosevelt atacando a América Latina. Nada mais que a reedição de uma diplomacia intervencionista que conhecemos bem e que nos resultou numa bela Aliança para o Progresso: Ditaduras.
@caetano_pacheco Ninguem falou em "impor nossa vontade" a Colombia, e sim em pressioná-los. #diplomacia @mingo_tome from TweetDeck
Progresso para quem?
Plebiscito é forma de legitimar pressões e até sanções intl contra colômbia e demonstrar o repúdio da AL.É manobra política @Tsavkko from TweetDeck
Não tomemos a idéia de Morales como um plebiscito específico, pode até acontecer! Mas a idéia passa pela pressão e condenação internacional.
O plebiscito foi jogar verde. A idéia é o repúdio. Isso é comprável. @Tsavkko from TweetDeck
E, tratando de tecnicidades, o plebiscito não precisa ser levado à frente necessariamente pelo governo brasileiro, mas pela sociedade civil, como foi o plebiscito da Vale.
O plebiscito ñ precisa ser como vc's pensam, pode ser levado pela sciedade civil. from @Tsavkko via TweetDeck

Exato!Pode ser feito pela sociedade civil, sim..é pressão. É dizer q/ não esta todo mundo topando o eterno jogo do império from web

Aliás, a posição da mídia neste caso é clara. O perpétuo alinhamento à potência do norte. Discordar dos desígnios divinos dos EUA - é a periferia feliz em satisfeita em adotar para si o Monroísmo já morto do norte - é loucura, radicalismo.


Interessante que alguém tenha encontrado algum "radicalismo de esquerda" nas verdades ditas na reunião da ALBA:
Um carta de Fidel Castro, lida por Chávez, reabriu o capítulo das más relações com os EUA, após uma pausa provocada pelo fim do mandato de do presidente George W. Bush.
"São óbvias as intenções do Império (EUA), desta vez sob o sorriso amável de um rosto afro-americano".
Os Estados Unidos "não podem conosco, saiba o senhor Obama, saiba o senhor Prêmio Nobel da guerra", disse Chávez.
"A América Latina será o segundo Vietnã", advertiu o boliviano Evo Morales.
Promoveram um golpe de Estado em Honduras (...), um acordo com a Colômbia que permite aos Estados Unidos o uso de sete bases militares, tudo isto após a posse de Obama, destaca a carta de Fidel Castro.
------
Comentários
5 Comentários

5 comentários:

Maurício Caleiro disse...

É pena que essa discussão teve consequências desagradáveis, já que afastou um dos debatedores do convívio com os demais, nos encontros da vida real.

Bom post, mas faltou reproduzir minhas sensatas intervenções, tentando botar água imitando o ilibado mestre Professor Hariovaldo, ra, ra, ra!!!

Gustavo Paashaus disse...

Grande Tsavkko! Você foi muito feliz em por esta lista! Mas você esqueceu de outros itens, como por exemplo, os Golpes de Estado financiados pela CIA: http://en.wikipedia.org/wiki/Covert_US_regime_change_actions

Não devemos nos esquecer também: http://en.wikipedia.org/wiki/CIA_drug_trafficking

E também:

http://en.wikipedia.org/wiki/CIA#Questionable.2Fcontroversial_tactics

Aquele abraço! :-)

Hugo Albuquerque disse...

Tsavkko,

Eu não deixo de achar curiosos debates onde a questão da chamada "soberania nacional" é ponto de partida. Eu ia comentar aqui, mas o comentário acabou ficando muito grande e eu escrevi um post a respeito. Dê uma olhada lá se quiser: Plebiscito Latino-americano contra as Bases dos EUA na Colômbia.

abraços

Mingo disse...

Ótimo post Tasavkko. Para mim, a discussão desde o início, se tratava de compreender a iniciativa de Evo da maneira correta: exercer pressão sobre a Colômbia e EUA, e conclamar os demais vizinhos a fazê-lo de forma unificada (o que foi entendido por parte dos debatedores como "demagogia"inócua).Permeando os argumentos contrários, havia um "entedimento" pejorativo e estereotipado da dimensão política real de Evo Morales.

Um abraço,

Mingo Tome

Raphael Tsavkko Garcia disse...

Caleiro: Haha, eu até pensei em incluir seus perspicazes comentários, mas não deu!=P

Pashaaus: Você fala da lista do post anteiror? Bem, impossível incluir TUDO que tem os EUA direta ou indiretamente envolvidos...

Hugo: Lerei e comentarei!=)

Mingo: Valeu, camarada! E, realmente, a questão era compreender a dimensão da proposta... Poucos "chegaram lá".

Postar um comentário