quinta-feira, 11 de março de 2010

Cuba, Lula e a Greve de fome como instrumento de luta. Parte 1

Pin It
Combinei ha algumas semanas com a Niara (@nideoliveira71) do Pimenta com Limão, escrever sobre a Greve de Fome enquanto instrumento válido na luta por ideais, idéias, ideologia e etc.

Combinamos de, cada um em seu blog, dar sua visão sobre o assunto, levando em conta que eu considero a Greve de Fome um instrumento válido e ela discorda.

Mas fomos atropelados pelos acontecimentos e a Folha, em mais uma capa buscando atacar o presidente Lula, trouxe para a mídia a discussão sobre o assunto. Faço então uma discussão sobre a idéia em torno da Greve de Fome e termino dando minha opinião sobre o caso específico do Lula e de Cuba.

Tsavkko diz: @nideoliveira71 Existem casos de sucesso das greves do fome. Mas ñ costumam funcionar qd o gov ou o alvo simplesmente ñ dá a mínima....
Nideoliveira71 diz: @tsavkko A ampla maioria ñ funciona. De onde as pessoas tiram essas ideias de sacrifícios? Mito de ser mártir de uma causa só atrapalha.
Tsavkko diz: @nideoliveira71 Ñ sei a proporção, mas conheço alguns casos de sucesso, msm q parcial. Questão é ter mídia suficiente e esta mídia ter poder

Nideoliveira diz: @tsavkko Eu entendo a entrega à causa. Sou ativista a vida inteira. Mas o sentido da luta se perde nesse caso.

Nideoliveira diz: @tsavkko Se alguém tem que se sacrificar e morrer de fome, aos poucos, o sentido da luta se perde. É desumano. Respeito, mas discordo.
Tsavkko diz: @nideoliveira71 Eu entendo seu ponto de vista. MAs eu enxergo sentido na greve de fome e apoio em alguns casos.
------
Comentários
2 Comentários

2 comentários:

alex disse...

TEFLON TUCANO EM SÃO PAULO

'Era Alckmin': 70 CPIs engavetadas

'Era Serra': 13 CPIs engavetadas

'Era Tucana' em São Paulo:

83 CPIs na gaveta para proteger Serra e Alckmin

Mas quando querem os DemoTucanos trabalham rapidinhos par instalar uma CPI.

Exemplo? Caso Bancoop. Uma cooperativa privada, cujo dinheiro movimentado é dos 15.000 cooperados, e não dos cofres públicos.

Murilo Rodrigues Guimarães. disse...

SE me permite um dedo de prosa, eu vou repetir o que postei no meu @murilorg

Um guerreiro preso, se morto pelo adversário, é herói. O suicídio necessariamente não torna o guerreiro sequer um mártir.
O "suicidio heróico" de Durkheim, por exemplo, pressupõe opressão de sujeitos inocentes, amparados por uma coletividade capaz de tornar seu ato em mais luta. Sem representatividade, o manifesto perde sua efetividade.

Em "O Grupo Baader Meinhof", os jovens que lutavam pela liberdade dos fundadores da RAF deixam as armas qdo sabem que eles tinham se matado.

Postar um comentário