quarta-feira, 7 de abril de 2010

A nova estratégia militar dos EUA, quem acredita?

Pin It
A nova estratégia militar dos EUA no que concerne suas armas nucleares e seu uso não trouxeram nenhuma grande novidade. Bravatas e continuidade do que já existia. Tanto EUA quanto a Rússia já haviam se comprometido em reduzir seus arsenais, nenhuma novidade ate aí. O que muitos colocaram como surpresa foi a declaração seguinte:
Dentro da nova estratégia, os Estados Unidos se comprometem a "não utilizar nem ameaçar com armas nucleares" os países que não dispõem desses arsenais e cumpram suas obrigações dentro do Tratado de Não-Proliferação.
Deve-se notar alguns detalhes:

1. Segundo esta nova declaração, antes, qualquer país poderia ser vítima de ameaça (chantagem) nuclear por parte dos EUA. Agora é que mudaram de idéia.
2. Os EUA se comprometem a não usar ou ameaçar países que se enquadrem em alguns quesitos, logo, não renuncia ao uso de armas nucleares em qualquer hipótese e afirma que pode utilizá-las em alguns casos, o que mantém o perigo nuclear.
3. Dentre as exceções para o uso destacam-se a não-disposição de armas nucleares (sem, porém citar os países sob os quais existem apenas suspeitas) e que CUMPRAM as obrigações dentro do TNP.

Analisando uma a uma.

1. Os EUA admitiram o que todos sabiam, que seu arsenal nuclear sempre foi usado para chantagear outros países, seja quais forem, sem discriminações. Qualquer um poderia ser vítima de suas armas. Por mais que fosse fato conhecido, é assustador esta admissão, ainda que involuntária. Mas, de qualquer forma, o que fica é a contínua ameaça o uso de armas nucleares, e entremos no segundo ponto.

2. OS EUA não renunciaram, pelo bem da humanidade, ao uso de armas nucleares, mas criaram uma escala, um limite. Continuam, porém, a ameaçar seus desafetos com seu poderio destrutivo. Os EUA, passando por cima de qualquer organismo, decidiram criar seus próprios limites e pouco importam críticas ou reclamações de quem quer que seja. Fazem o que querem, como querem.

3. Quanto às exceções, o grande perigo. Os EUA se comprometem a não ameaçar e usar armas nucleares em países que comprar com suas obrigações dentro do TNP e que não tenham armas, logo, temos um espaço amplo para conjecturas.

Para os EUA, o Irã se não as tem, as planeja, o que é razão suficiente para a contínua ameaça ao país. Para os EUA cabe apenas inventar uma história, inventar provas e acusar o país que bem quiserem de possuir as tais armas. A nova estratégia foi feita com a intenção de enquadrar, desde o início, Irã e Coréia do Norte.

E isto não é apenas um quadro ideal ou impossível, as razões para atacarem o Iraque foram exatamente estas, as de que Saddam possuía armas de destruição em massa. O que era uma mentira gigantesca. Mesmo assim, o país foi invadido.

E, para piorar, se não foram usadas armas nucleares em si por parte dos EUA, foram usadas balas de urânio empobrecido que até hoje deixam sequelas na população local. São armas com potencial nuclear, querendo ou não.

O cerne da questão, na verdade, vai além. O mundo está disposto a aceitar as bravatas dos EUA? O mundo está disposto a acreditar na boa vontade do Império que tem mais invasões e casos de abuso e desrespeito aos Direitos Humanos e às normas internacionais do que o Iraque tem de areia em seu território?

O El País é direto:
Según el documento, el nuevo plan nuclear propone una condición importante: que los países no estarán sujetos a una posible respuesta nuclear estadounidense si cumplen con el Tratado de No Proliferación Nuclear. Es aquí donde Irán y Corea del Norte no están incluidos.
"Esencialmente nos referimos a países como Irán y Corea del Norte, que no cumplen (con el Tratado de No Proliferación), y básicamente todas las opciones están sobre la mesa cuando se refiere a naciones en esa categoría junto con organizaciones no estatales que pueden adquirir armas nucleares", ha dicho el jefe del Pentágono, Robert Gates a los periodistas. En este último punto, la mayor preocupación es la continua evidencia de que Al Qaeda y otros grupos radicales están interesados en adquir armas de destrucción masiva.

As declarações dos EUA apenas confiram sua vontade de ditar as regras no ambiente internacional, de fazer as coisas ao seu modo, passando por cima de tudo e todos. Se aventam no direito de usar e ameaçar quem tenha armas nucleares, MESMO que estas armas sejam só uma ilusão na cabeça dos yankees, ou seja, se dão o direito de ameaçar e chantagear quem bem entenderem, bastando apenas plantar informações falsas e fazer sua população majoritariamente estúpida acreditar em tudo.

----
Aliás, eu me perguntei se alguém cairia no conto da bondade estadunidense e... Ban Ki-Moon, obviamente, caiu. A ONU, como de costume, é a primeira a ser enganada - ou se enganar propositadamente.
------
Comentários
1 Comentários

1 comentários:

Doo disse...

Lembrando que de todos os países do mundo e em especial de todos os possuidores de arsenal nuclear, os EUA são o único que provou ser irresponsável para com o uso destas armas...

Mas tudo bem, afinal, eles são a Policia do mundo mesmo, não?

Postar um comentário