quarta-feira, 2 de junho de 2010

Protesto Contra Israel em São Paulo

Pin It
O protesto de ontem, dia 1 de junho, foi pequeno. Talvez 100 pessoas reunidas no vão do MASP às 17h para protestar contra mais um crime israelense. Mas, pelo tempo reduzido que se teve para organizar, foi um protesto muito bom. Representantes da Frente de Defesa do Povo Palestino, do Consulado Sírio, do MOPAC, PT, PCdoB, PSOL e PCML além de outros ativistas defensores da causa Palestina estiveram presentes, alguns discursaram e palavras de ordem foram gritadas.

Esta pequena manifestação servirá como base para a manifestação que está sendo organizada para a próxima sexta-feira, dia 4 de junho. O horário ainda será divulgado pelas lideranças da comunidade árabe, mas o local deverá ser o MASP.
No início do protesto um começo de tumulto quando dois PM's, alegando querer nos dar segurança e aparentemente desconhecendo nosso direito de nos reunirmos livremente, exigiu falar com alguma liderança - que não havia, o movimento era plural e sem líderes identificáveis - e, com a negativa, exigiu o RG de uma militante que, obviamente, se recusou a entregar e foi ameaçada de prisão.

Com a chegada do vereador Jamil Murad as coisas se acalmaram e ele falou como líder para que a PM se afastasse.

O protesto em si foi breve, durou cerca de uma hora, mas os discursos foram enérgicos e emocionados. Gritos de "Israel Genocida", "Israel Nazista" e "Palestina Livre" eram constantes e distribuímos muitos folhetos entre quem passava. Estes, aliás, em geral nos apoiava, acenando, comentando que era um absurdo a situação dos Palestinos e repudiando Israel e suas ações criminosas.
Foi um ato pequeno mas cheio de significado. Pelo menos algumas poucas pessoas mostraram seu desagrado, seu repúdio e deixaram claro que não tolerarão mais agressões.
Espero que o protesto de sexta tenha mais representatividade e seja muito maior. É simplesmente vergonhoso que, contando o tamanho do Brasil e de São Paulo, não consigamos reunir nem bem 100 pessoas para protestar contra um genocídio. Na internet, a convocatória do protesto foi imensa, mas isto nunca se reproduz nas ruas. Às vezes dá vergonha ver o quão pouco o povo demonstra sua raiva, sai às ruas e reivindica direitos - seus ou de outros.

Pelo mundo milhares se reuniram, centenas até mesmo nos EUA! E aqui? Silêncio mortal.
---------------------
Carta minha publicada na Folha de 02 de junho (hoje):
Israel é um Estado terrorista.
Suas Forças Armadas praticaram um ato de pirataria de fazer inveja aos somalis.
E o seu embaixador no Brasil, Giora Becher, ainda tem coragem de acusar os ativistas dos direitos humanos de premeditar e violentar com facas os pobres soldados das forças especiais armados até os dentes? O que vimos foi mais um capítulo do genocídio patrocinado por Israel.
Nos barcos civis, uma sobrevivente do Holocausto e uma Prêmio Nobel da Paz. Todos terroristas para Israel.
RAPHAEL TSAVKKO GARCIA (São Paulo, SP) 
---------------------
------
Comentários
6 Comentários

6 comentários:

Iberê disse...

Um Estado (com E maiúsculo) israelense é um atentado por si só. Por uma ação unilateral foi criado. Me lembra as vezes a Libéria (Estado criado para abrigar os ex-escravos que desejassem voltar para a África)que foi criada de forma impositiva, até mesmo para os negros que para lá foram.
Será que Israel tem feito bem para os Judeus? Sendo que estes deveriam ser os reais beneficiários do projeto.

Anônimo disse...

E quem é que está no comando da PM de São Paulo? Existe mesmo um comando ou os soldados fazem o que querem, incomodam quem querem, batem ou agridem quem e quando querem?
E a história do PM "disfarçado" que foi flagrado na manifestação dos professores? Oficialmente, até hoje a PM não sabe o que ele fazia ali. Isto me faz voltar à pergunta inicial: existe comando na PM de São Paulo?

Raphael Tsavkko Garcia disse...

@ibere: Israel apenas fez crescer o anti-semitismo. Não confundir com anti-sionismo, meu caso, mas é inegável que a extrema-direita ganhou munição.

@anonimo: Com ou sem comando, a tropa inteira é um lixo. Os comandantes fazem vista grossa ou aplaudem, e os subordinados são animais da mesma espécie.

Anônimo disse...

O QUE HITLER NÃO CONSEGUIU FAZER COM OS JUDEUS, ELES FAZEM AGORA COM OS PALESTINOS E USAM A MÍDIA PARA SE INOCENTAR DE QUALQUER RESPONSABILIDADE PELOS SEUS ATOS.ESCONDEM-SE ATRÁS DE UMA IMAGEM DE PERSEGUIDOS PARA COMETER ATROCIDADES. FAZEM PROPAGANDA QUE VIVEMOS EM UM PAÍS LIVRE, MAS SERÁ? AS GLOBOS DA VIDA DIRECIONAM A OPINIÃO PÚBLICA BRASILEIRA MAL INFORMADA E MOSTRAM O QUE OS AMERICANOS QUEREM QUE O POVO VEJA. É DE DAR DÓ.

Anônimo disse...

A HIPOCRISIA SUNITA DA ARÁBIA SAUDITA DEVERIA TOMAR UMA POSIÇÃO A FAVOR DOS PALESTINOSE CONTRA ISRAEL. PQ SERÁ QUE ELES NÃO FAZEM ISSO??? SERÁ RABO PRESO COM OS AMERICANOS???

Eduardo E. S. Prado disse...

Raphael,

Transferir a militância na internet para a rua com a mesma intensidade é muito difícil. Na minha opinião ficar só na divulgação via Twitter, Blog, facebook, Orkut, não dá. Talvez o movimento GLBTS tenha algo a nos ensinar.

A Parada Gay, no seu início, era muito pequena. Segundo um amigo que participou desse começo a militância procurou comprometer os participantes a trazer, no ano seguibnte, pelo menos mais dois amigos. Foi assim, segundo ele _ e eu acredito _, que um movimento que começou com 2 mil pessoas na sua primeira edição chegou, anos depois, a casa dos milhões.

Eu vou e convido dois amigos para virem comigo e peço a cada um deles que também convidem mais dois e assim por diante. Se der tudo certo, no lugar de ir apenas eu, iremos sete, onze, dezenove...

Postar um comentário